Home > Conta Certa > Devo comprar ou alugar o imóvel onde vou morar?

Devo comprar ou alugar o imóvel onde vou morar?

Pergunta simples e direta; resposta bastante complexa, pois depende de vários fatores. Vamos ver um a um, considerando apenas os aspectos financeiros (não vamos considerar aspectos subjetivos como o sonho de ter a casa própria).

Fator 1: onde o imóvel está localizado?

O mercado imobiliário não é mais o mesmo de 4, 5 anos atrás. Os preços não têm subido tanto. Na maioria das capitais, o aumento dos preços se limita à inflação, ou seja, não há aumento real. Em outras, como São Paulo, Brasília e Porto Alegre, os preços até diminuíram por conta daquela famosa lei da oferta e da procura, principalmente os imóveis prontos (isso não se aplica, claro, a todos os bairros). Os compradores sumiram e muitos donos de imóveis, por conta da crise, estão precisando “fazer dinheiro”. Portanto, dependendo de onde esteja o imóvel, você pode encontrar oportunidades interessantes de comprá-lo por um preço bem abaixo do valor justo. Nesse caso, comprar o imóvel é interessante tanto para morar quanto para investir.

Fator 2: vai comprar à vista ou vai financiar?

Se vai comprar à vista, é porque tem todo o recurso necessário, que está, provavelmente, aplicado em poupança ou CDB. Nesse caso, a melhor alternativa é usar o recurso para dar a menor entrada possível, financiar a compra do imóvel e deixar o resto aplicado (em um produto de melhor risco/retorno). Não faz sentido imobilizar todo esse recurso, se você pode ganhar um spread de graça: o financiamento vai custar cerca de 10% ao ano e sua rentabilidade pode ser de 14%, 15% ao ano.

Se não tem todo o recurso à vista, a única solução é financiar mesmo.

Fator 3: qual a faixa de preço do imóvel?

Dependendo da faixa de preço, há incentivos do governo para a aquisição do imóvel. Para imóveis mais baratos, dentro dos limites do programa Minha Casa Minha Vida, há um “rebate” do governo (isto é, o governo dá uma parte do valor do imóvel) e/ou há taxas de juros subsidiadas. Além do fato da prestação ficar entre 10% e 15% da renda familiar. Nesse caso, não faz sentido pagar aluguel: o aluguel será igual (talvez maior) que a prestação do financiamento.

Para faixas de preço mais altas, o aluguel é (podemos dizer quase sem medo de errar) sempre menor que a prestação do financiamento. Assim sendo, financeiramente, a melhor alternativa é morar de aluguel e investir a diferença entre o valor da prestação (que você pagaria) e o valor do aluguel.

Fator 4: sua intenção é gastar menos ou investir?

Para quem quer gastar menos, comprar o imóvel só faz sentido se for uma oportunidade (como descrito nas últimas linhas do fator 1), ou na faixa de preços mais baratos (como descrito no primeiro parágrafo do fator 3). Nesses casos, a prestação do financiamento deve ficar menor que o aluguel. Se esta não é sua realidade, para gastar menos, é mais indicado viver de aluguel.

Se você quer investir, o mercado imobiliário só é a melhor alternativa, se você encontrar uma “pechincha” e tiver crédito para financiar a taxas em torno de 10% ao ano. Atente que, dependendo do tamanho da sua carteira de ativos, investir em um imóvel pode dificultar ou eliminar qualquer tentativa de diversificação. Nesse caso, se você insiste em imóveis, sugiro fundos imobiliários (converse com seu corretor sobre boas oportunidades), desde que não representem mais de 50% de sua carteira. Se imóveis não são uma obrigatoriedade, há produtos de investimento bem mais interessantes no mercado financeiro. Converse com seu corretor ou clique aqui para entrar em contato e marcar uma reunião online.

Atenção!

Se você decidir comprar o imóvel, é importante se planejar. Como é um investimento relativamente alto e de longo prazo, é preciso ter certeza do tamanho (número de quartos) e da localização, já pensando em filho(s), escola, trabalho, trânsito, transporte público, facilidades próximas (banco, farmácia, padaria, mercado, etc.). E como você vai financiar (já vimos que não vale a pena pagar à vista), é preciso ter certeza de que a prestação cabe e caberá (com o máximo de segurança) no seu orçamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *