Home > “Conta Certa” por Dr. Rodrigo Leone

“Conta Certa” por Dr. Rodrigo Leone

rodrigo_leone


Doutor em Otimização pela COPPE/UFRJ, mestre em Matemática e especialista em Administração Financeira pela FGV.

Profissional CPA-20, tem vasta experiência em consultoria empresarial e pessoal nas áreas de gestão de riqueza, diagnóstico, planejamento e controle financeiro, asset allocation, análise de custos e formação de preço, análise de balanço, avaliação de investimentos, valuation, estudos de viabilidade econômico-financeira, reestruturação financeira, elaboração de projetos estruturados de financiamento e tomada de decisão.

É professor do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado e Doutorado) da Universidade Potiguar (UNP) em Natal – RN, onde ministra as disciplinas de Métodos Quantitativos e Finanças Corporativas, orienta teses e dissertações, desenvolve pesquisas científicas e é coeditor da revista científica RAUnP. Também é professor dos cursos de MBA e LLM do IBMEC, da HSM e autor de cursos para o Programa de Certificação de Qualidade EBAPE/FGV, para a FGV Online e para o Canal FGV Online, de cursos sobre gestão financeira empresarial, estatística, matemática financeira, tomada de decisão, gestão de custos e finanças pessoais, de vários artigos científicos, dos livros "Dicionário de Custos" (Editora ATLAS, 2004), "Os 12 Mandamentos da Gestão de Custos" (FGV Editora, 2007), "Curso de Contabilidade de Custos" (Editora ATLAS, 2010) e "Matemática Financeira" (FGV Editora, 2012) e dos e-books "Matemática Financeira Comentada" e "Planejamento Financeiro Pessoal: organizando, planejando e controlando os fluxos de caixa.

Nos últimos anos, ministrou palestras e cursos para mais de 5.000 pessoas, desenvolveu cursos in-company para a Petrobras, Vale do Rio Doce, Eletrobrás, Amil, Banco do Nordeste, Correios e Souza Cruz, apresentou artigos em congressos nacionais e internacionais e foi professor visitante na Universidade Carlos III de Madrid, Espanha, e na École Superieure des Affaires, em Grenoble, França.

É apresentador do programa "Conta +" sobre finanças, economia e investimentos na RCTV e consultor financeiro dos programas "Correio Debate" e "Correio Manhã", na TV Correio, afiliada da rede Record na Paraíba.

Aumente seu poder de compra em 250% com planejamento.

Temos enfatizado aqui no blog o quanto é importante planejar os investimentos. Apenas para relembrar, com planejamento, você consegue otimizar a relação entre retorno, risco e liquidez, alcançar seus objetivos e proteger seu patrimônio, respeitando sua capacidade de investimento. Para acumular patrimônio, seus planos devem considerar a taxa de juros reais (rentabilidade líquida do investimento, descontada a inflação). Só assim, você tem certeza de ganhar poder de compra e ficar mais rico. Ao investir em produtos usuais que oferecem 80% a 95% do CDI, sua rentabilidade líquida real (após o imposto de renda e já descontada a inflação) fica no máximo em torno de 1,40% ao ano. Selecionando produtos mais sofisticados e aproveitando os benefícios fiscais oferecidos, sua rentabilidade pode chegar a 130% do CDI, para um nível de risco ainda conservador. Isso lhe trará uma rentabilidade líquida real média de 4,20% ao ano. Para evidenciar o quanto esse incremento significa, considere uma car

O que fazer com seu 13º ?

O que fazer com o décimo terceiro? Neste mês de dezembro, muitos estão recebendo a segunda parcela do décimo terceiro salário. Para alguns, é um alívio, pois poderão pagar suas dívidas (ou parte delas) e planejar a recuperação do padrão de vida. Para outros, é a oportunidade de guardar para os compromissos do início do ano ou planejar investimentos de longo prazo. E ainda há aqueles que vão mesmo é gastar essa “grana” com viagens, festas e presentes. E você, já sabe o que vai fazer? Para lhe ajudar nessa definição,  apresentamos a seguir um rápido esquema. Vale lembrar que cada caso é um caso e, para termos certeza da indicação correta, precisamos conhecer o seu. 1º) Você vem acumulando dívidas no seu cartão de crédito (pagando menos que a fatura mensal)? Se sim, quite essa dívida; se não, passe para o próximo item. 2º) Você está usando o limite de seu cheque especial? Se sim, cubra o saldo negativo; se não, passe para o próximo item. 3º) Você tem dívidas de crediár

Devo comprar Bitcoin para minha carteira de investimentos?

Como sempre enfatizamos, sua carteira de investimentos deve visar mais do que retorno máximo. Ela precisa maximizar retorno, respeitando sua tolerância a risco e sua necessidade de liquidez. Posto de outra forma, sua carteira deve balancear risco, retorno e liquidez, optando pela alternativa de melhor custo-benefício. Além disso, deve mirar nos seus objetivos, levando em conta sua capacidade de investimento, a oferta de produtos financeiros no mercado, os cenários econômicos atual e futuro, estar aberta a ajustes sempre que seus parâmetros ou premissas forma alterados e, principalmente, proteger seu patrimônio. Para tanto, sua carteira de ativos deve ser bem diversificada, com produtos de investimento, seguros e previdência. Sobre montar a carteira... Quando calculamos a rentabilidade necessária para sua carteira, dados seus objetivos e respeitando tudo o que foi dito anteriormente, passamos para a etapa de seleção dos ativos. Nessa etapa, o objetivo é distribuir seus recursos em

Planejando seus investimentos

No último dia 06/11, dei uma palestra sobre planejamento de investimentos. Ontem, recebi algumas anotações do que eu disse feitas por uma das participantes e que resumem bem a mensagem que quis passar. Por isso, transcrevo aqui. - Não se investe sem objetivos. Investir sem objetivos é um tiro no escuro. - Rentabilidade é quanto minha carteira vai render. Queremos ganhar o máximo possível, desde que respeitando uma tolerância a risco e a exigência de liquidez. - Não dá para ter rentabilidade máxima e risco mínimo, sem abrir mão da liquidez. - Parte da carteira é para reservas de emergência. - Além do tripé rentabilidade, risco e liquidez, é preciso que a carteira de investimento me leva aos meus objetivos. - Nem sempre o planejado vai acontecer. Na verdade, quase nunca. Mas é bom planejar para se ter uma norte, uma conta feira, mesmo que eu vá flexibilizando e ajustando os planos ao longo do caminho. - Para traçar os planos, é preciso fazer um levantamento da sua situação financ

Investir sem planejamento financeiro é investir às cegas!

Deixa eu lhe contar três casos que dão suporte ao título desse texto: Caso 1: um casal, de alta renda e com muito patrimônio, nos procurou para opinarmos sobre a contratação de um fundo exclusivo para servir de meio para seus planos, que incluíam uma renda mensal ao se aposentarem e uma ótima herança para seus filhos, além obviamente dos benefícios tributários e sucessórios. Uma vez acordado que o fundo exclusivo era a solução ideal, a questão seguinte foi: qual o perfil de risco para esse fundo? Eles estavam dispostos a alocar boa parte do patrimônio em produtos agressivos, se fosse preciso. Aliás, eles estavam tendenciosos a escolher esses produtos, pois estavam certos de que seria necessário para o alcance de seus objetivos. Não foi o que o planejamento financeiro apontou. Após formatarmos os objetivos do casal e dados o saldo de seus ativos financeiros e sua capacidade mensal de investimento, o dimensionamento dos planos mostrou que uma alocação conservadora seria suficiente.

Dicas de educação financeira para bolsistas.

No dia 10/08/2017, apresentei uma palestra sobre educação financeira, a convite da Profa. Aurelia Acuña, no evento “Boas vindas aos participantes do PROBEX 2017”, ocorrido no CT/UFPB. Após a palestra, dei uma entrevista ao Ítalo Ramon, estudante de jornalismo. A seguir, reproduzo o que está no site da UFPB (Fonte: Agência de Notícias da UFPB - Com Assessoria). A educação financeira deve iniciar desde cedo, com os pais ajudando o desenvolver do jovem em casa ou deve-se esperar o primeiro salário para que comece esse processo? Se um adolescente que recebe o primeiro salário ou a primeira bolsa e gasta tudo, a culpa não é dele; a culpa é dos pais dele e da nossa sociedade que não tem o hábito de dar educação financeira. O jovem gasta tudo que ganha porque viu nos pais a mesma ação: a de pessoas que gastam tudo sem controle, sem planejamento, sem responsabilidade. É importantíssimo proporcionar educação financeira desde muito cedo, mas é essencial que a criança veja em seus pais as atit

Em busca da harmonia.

Multiverso, para a teoria quântica, é um grupo de universos relacionados, conhecidos como universos paralelos. Segundo essa linha de pensamento, nós não vivemos em apenas um, mas em vários universos que nunca se encontram. Dizem que a mente humana é um universo, e eu acredito. Assim sendo, para a teoria Rodriguiana, a mente da humanidade é um multiverso: várias crenças paralelas que não convergem para a mesma verdade, implicando na existência natural de várias verdades. Com cada verdade tão verdadeira quanto a outra. Quando aceitamos essa teoria, passamos a respeitar as verdades dos outros, por mais diferente que sejam da nossa verdade. Acreditar na minha verdade não torna falsa a sua crença, nem faz de você uma pessoa pior. São apenas crenças paralelas levando a verdades diferentes. Veja o exemplo simplificado do futebol... Se flamenguistas creem que são campeões brasileiro de 1987, essa é a verdade deles. Se os torcedores dos demais times não acreditam nisso, é apenas uma quest

6 dicas essenciais para o bem estar da sua empresa

 Mantenha um estoque correto Manter o giro de mercadorias e de insumos é essencial para que as finanças de uma empresa permaneçam sobre controle. Afinal, estoque muito alto é sinal de dinheiro parado. Por outro lado, estoque insuficiente é prejudicial para o andamento do negócio. Portanto, busque armazenar os itens no volume correto para o fluxo da sua empresa. Fuja dos empréstimos Recorrer a empréstimos é a pior forma de lidar com folha de pagamento, tributos e reposição de estoque. Afinal, os juros corroem os lucros da empresa. Portanto, busque manter um planejamento que permita que a empresa arque com as próprias despesas, contando apenas com as receitas que ela gera. Separe a pessoa física da pessoa jurídica Um dos mais graves erros que o empresário pode cometer é confundir o caixa da pessoa física com o caixa da pessoa jurídica. Com isso, fica praticamente impossível analisar os resultados financeiros da empresa, uma vez que o fluxo de caixa corporativo sofre a inf

Saiba mais sobre os controles financeiros básicos.

No último post, tratamos da relação entre controle financeiro e gestão do capital de giro. Nesse post e no próximo, vamos falar dos controles financeiros, começando pelos cinco que julgamos mais básicos: controle diário de caixa, controle bancário, controle de contas a receber, controle de contas a pagar e controle mensal das despesas. Esses controles PRECISAM ser feitos e PODEM ser implantados, sem dificuldades, desde já. No post seguinte, abordaremos os controles de vendas e de estoque. Controle diário de caixa Controle feito a partir do registro de todas as entradas e saídas de dinheiro, para apurar e controlar o saldo existente no caixa e elaborar o deonstrativo de fluxo de caixa. A principal finalidade do controle de caixa é verificar se não existem erros de registros ou desvios de recursos. O caixa é conferido diariamente e as diferenças porventura existentes têm de ser apuradas no mesmo dia. Além disso, o controle de caixa fornece informações para: - Controlar os valores d

Comece a cortar gastos já!

Uma pesquisa do SPC Brasil e da CNDL revelou que 53% dos brasileiros pretendem cortar gastos em agosto. Por um lado, é uma notícia positiva, mas, por outro, é negativa. Vejamos... Ponto negativo 1: se 53% pretende cortar gastos, 47% não pretende. Espero que esse pessoal esteja com as contas no azul ou, pelo menos, no zero a zero! Ponto negativo 2: os motivos alegados para o corte nos gastos são a alta dos preços, o desemprego, a redução na renda, as dívidas e a situação difícil. Tanto que quase 38% das pessoas informaram estar no vermelho, sem terem conseguido pagar as contas em julho. Alento: muita gente também alegou os esforços constantes para economizar e a intenção de fazer uma reserva financeira como motivo para o corte nos gastos. Pergunta 1: será que o brasileiro está mais consciente em relação às finanças? Não está fácil para ninguém... A crise já se prolonga por alguns anos e seus efeitos continuam presentes no nosso dia a dia. É claro que as pessoas percebem. É claro q

Controle seu fluxo de caixa!

Fluxo de caixa é um instrumento de controle adotado por empresas para acompanhar a sua movimentação financeira em um determinado período de tempo, no qual entradas e saídas de capital são registradas para verificação e análise. Se serve para as empresas, por que não utilizarmos nas finanças pessoais? Para a maior exatidão dos resultados, todas as receitas e despesas, por menor que sejam, devem ser lançadas, o que pode ser feito através do uso de planilhas ou em um sistema de gestão. A partir desse levantamento, que é uma ação básica e indispensável de gestão financeira, é possível contar com uma verdadeira base de dados, fornecendo ao empresário (e às pessoas) subsídios para a tomada de decisões no negócio (e na vida pessoal). Ao realizar o fluxo de caixa, adquire-se uma visão mais precisa sobre o momento financeiro da empresa. Isso significa, por exemplo, que aquela semana que parecia ótima para o faturamento, na realidade gerou apenas receitas próximas das despesas. No caso empr

21 dicas para você não desperdiçar dinheiro!

Já ouviu aquela máxima “você não fica rico com o que ganha, você fica rico com o que economiza”? Pois é... É a mais pura verdade. Tenho muitos exemplos desse tipo. Clientes de alta renda, totalmente endividados e sem patrimônio por falta de controle dos gastos, e clientes de renda mediana com a vida financeira equilibrada, investindo e no caminho para alcançar seus objetivos. Não importa quanto você ganha. Para ficar rico, é preciso poupar, gastar menos do que ganha. Viver dentro de suas possibilidades e jamais viver (e financiar) um estilo de vida que não é o seu. Ok, mas como fazer sobrar? Para fazer sobrar, é preciso priorizar as despesas. Sempre digo isso aqui no blog. Para priorizar, o primeiro passo é anotar os gastos e organizar tudo em classes (tipos) de despesas (habitação, alimentação, saúde, lazer, transporte), para, em seguida, reclassificá-los em ordem de importância: 1º despesas essenciais (aquelas que você não pode deixar de ter, como o aluguel, a energia elétrica,